domingo, 8 de março de 2015

Ah esse orgulho idiota!!



Hoje acordei com lágrimas nos olhos. Fruto de minhas reflexões da noite anterior quando estava deitada na minha cama assistindo um de seus filmes preferidos e me lembrando das nossas sessões de filmes no sábado a noite. Você sempre escolhia filmes ótimos e a pipoca nunca durava até o final ( eu sempre parava o filme na metade pra ir fazer mais petiscos). 
Olhei pro lado e vi o pote de pipoca que preparei ontem praticamente cheio, mal toquei no meu copo de refrigerante que estava ali do lado. A barra de chocolate lacrada e a TV ligada me mostravam a falta que você faz. 

De repente veio a tona as lembranças daquela manhã em que você juntou suas coisas e saiu pela porta da frente sem olhar pra trás e eu com todo meu orgulho fiz questão de deixar o silêncio invadir a sala pelos minutos que se seguiram. 

Não queria admitir pra mim mesma que eu precisava de você por perto. Não duvide do meu amor ( em momento algum houve a falta dele), apenas decidi não fazer nada de cabeça quente ( foi a desculpa mais idiota que já arrumei). E desde então prosegui com meus dias na expectativa de superar e entender que o melhor era ficarmos separados por um tempo mesmo.  
Mas eu e você sabemos muito bem que esse tipo de comportamento não faz o meu estilo e que não ia demorar muito para que eu te procurasse afim de conversamos e agirmos como duas pessoas sensatas que resolvem a situação com um bom esclarecimento. Sempre fizemos isso, não era do meu costume virar pro lado e ficar por isso mesmo. 

Porém não foi isso que aconteceu. Os papéis foram trocados e enquanto preparava meu jantar na quarta feira passada ouvi o bater de dedos na porta e quando abri dei de cara com o menino que se auto convidou pra sentar na mesma mesa que eu em uma dessas lanchonetes do centro da cidade enquanto aguardava meu pedido lendo meu livro de crônicas preferido. 

Quando te vi na porta da minha casa fiquei tão feliz que queria te abraçar e não soltar nunca mais. Mas como disse sou orgulhosa e isso  falou mais alto e apenas te convidei para entrar ( com os braços colados ao corpo ) ouvi seu pedido de desculpa e sua sugestão para uma possível reconciliação. 
Não sei oque me deu na cabeça ao dar a última palavra da forma mais seca. Eu vi a dor nos seus olhos e provavelmente você enxergou isso em mim também. Mas como de costume deixou a situação por minha conta e mais uma vez saiu sem dizer nada ( depois de me dar um delicado e suave beijo na testa). 

Bom agora eu estou aqui, deitada e desanimada falando pra mim mesma que tudo poderia ter sido diferente se eu não fosse tão estúpida e orgulhosa. 

Espero que esteja feliz agora e que encontre alguém capaz de renunciar a si próprio afim de ser feliz por simplesmente querer ter sua compania diária