sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Uma Carta Para Aquele Que Devo Algumas Palavras



Me pergunto todos os dias:
"Até que ponto eu posso falar sem assustar ele? Uma vez que, sei muito bem que ja me acha paranóica o suficiente!"
Esses pensamentos morrem comigo na mesma forma em que renascem.

Falando de coração aberto, existe um mundo de sentimentos dentro de mim que você nem faz ideia garoto.
Trago a tona ao escrever esse texto, experiências horríveis, das quais se eu pudesse, tinha apagado elas no momento seguintes em que vivi.
Bom, tem aqueles que dizem:
"Você é uma pessoa incrível, só precisa acreditar mais em ti e deixar seus medos de lado.". Porém cada medo, insegurança, receio.. tudo tem o seu "porque" de estar aqui.

Quer a realidade? Apesar de você achar que não, sou uma pessoa de poucos amigos. As pessoas chegam e se aproximam...e depois somem.
O motivo? É raro alguém ter a paciência necessária, a calma transparente e se sentir bem ao ficar do lado de uma menina tão quebrada, desastrada e que conta nos dedos de uma mão só as pessoas em que confia de fato.

Quando digo que tenho dificuldades emocionais, eu não estou brincando.
(Aliás isso é outro ponto, as pessoas não me levam a sério.)
De certa parte eu entendo você em negar minhas afirmações a respeito de bloqueios e sentimentos. Afinal de contas, aos seus olhos sou poesia, sou o romance em forma de gente, por conta da minha "habilidade" com palavras.
Garoto mais uma vez estou lhe dizendo, isso aqui é apenas a melhor parte da minha pessoa.
A "Paula" na realidade é uma garota comum. Por isso não fantasie muito ok?
Não espere que eu vá acordar do seu lado sempre cantando ou falando o quanto é lindo as covinhas das tuas costas, ou que vou sou a pessoa que vai fazer café da manhã todos os dias e levar na cama, nem aquela que vai ser o padrão dos romances de cinema ok?
Sou uma menina que ri, chora, tem tpm, as vezes (sempre) se irrita por pouco...ou seja eu tenho defeitos como todas.

Estou sendo sincera com você na medida em que sou comigo também (sim,  debato ideias a respeito da minha pessoa, sozinha).
Sei que está um pouco frustado,  cansado e confuso.
Também estou.
Mas eu só queria que você entendesse, não sou uma pessoa difícil de lidar depois que se acostuma.
Tenha paciência se quiser ficar.
Mas não é sua obrigação fazer isso (ficar), e caso seja como os outros que passaram por aqui e se foram, se sinta livre para ir.
Faço questão de abrir a porta.
Só não fique aqui bancando o solidário, nem continue com "isso" por não querer me ver triste.
Da mesma forma em que me apaixono, dou a volta por cima caso a a relação não der certo. Não se preocupe comigo, vou ficar bem.
E espero que você também fique.